Educação sexual é a melhor prevenção

Na semana passada, escrevi sobre a importância de darmos os nomes certos às coisas – um agressor sexual de crianças não é um «abusador» – para podermos vê-las na devida proporção. Hoje escreverei sobre a importância de darmos às crianças as ferramentas certas para se poderem defender melhor de possíveis agressões.

Cresci na última década e meia do século XX, mas em minha casa falava-se de sexualidade como na Idade Média – ou seja, não falava. O tema era tabu e qualquer infracção era alvo de censura. Além disso, a palavra dos adultos era a única que contava – criança não tinha voz ou grande credibilidade, criança tinha de obedecer sem questionar a autoridade. Não tenho dúvidas de que isto me deixou mais vulnerável. E é (também) por isso que sou acérrima defensora da educação sexual nas escolas. Porque muitas famílias (a maioria?) não sabem como falar de sexualidade, limites, direitos, prazer e manipulação, deixando os seus elementos mais vulneráveis sem meios para se defender.

Em Portugal, a educação para a sexualidade e para os afectos, nas escolas, dá-se tarde e mal. Costuma ser enfiada no sétimo ou oitavo ano, entre a fotossíntese e a reprodução dos peixes, se o professor de Ciências estiver disposto a dar uma hora por semana do seu tempo para leccionar o módulo.

Como não me parece que esse cenário vá mudar tão cedo, infelizmente (ainda somos uma sociedade conservadora, os professores são uma classe envelhecida e maltratada, ninguém gere bem as prioridades, etc.), deixo aqui umas dicas para que, em casa, essa educação para a prevenção dos abusos sexuais se faça de modo melhor – inspiradas num fantástico artigo do The New York Times. Porque falar de sexualidade (incluindo deste seu lado negro) com crianças não tem de ser difícil.

  • Enfatize que o corpo da criança é só dela e que há partes onde mais ninguém pode mexer. Explique o conceito de intimidade e que, se alguém lhe tocar nas partes íntimas, deve avisar logo a mãe/o pai/etc.
  • Explique que a maioria das pessoas é boa, mas que há adultos maus, que podem tentar aproveitar-se de crianças.
  • Explique a diferença entre guardar um segredo e não contar algo para fazer uma surpresa. As surpresas são reveladas e deixam as pessoas felizes. Um segredo que não pode ser contado não é bom e pode fazer-nos sentir sujos, confusos ou tristes.
  • Dê o exemplo falando quotidianamente dos seus sentimentos e sensações. Isso convidará a criança a falar dos seus próprios sentimentos de raiva, confusão, felicidade e tristeza.
  • Mostre-se receptivo a perguntas sobre sexualidade. Não censure a criança se ela tiver curiosidade pelo tema. Cultive a abertura em vez da vergonha.
  • Dê autonomia à criança para que ela possa dizer «não» e exprimir-se abertamente. Incentive a honestidade emocional e mostre que os seus limites físicos são respeitados. Se a criança demonstra não querer um abraço de um familiar ou um beijinho de um desconhecido, não a obrigue a aceitá-los.
  • Diga e mostre à criança que acreditará nela, incondicionalmente, e que ela nunca ficará em apuros se partilhar coisas delicadas consigo.
  • Ensine à criança que os seus sentimentos são importantes e que merecem respeito. Ensine-a a confiar no seu próprio instinto.
  • Seja claro no seu discurso e use as palavras certas para designar a anatomia. As crianças podem não perceber metáforas ou eufemismos.


Seguir estes conselhos deixa-o desconfortável? Talvez não lhe apeteça falar de partes íntimas e predadores a uma criança pequena… Mas prefere um desconforto seu, passageiro, ou correr riscos desnecessários? É que uma criança que não tem vocabulário para descrever o que lhe é feito, que não consegue distinguir o certo do errado nem sabe como pedir ajuda torna-se um alvo ideal para um agressor. Quanto mais cedo começar a prevenção, melhor.
(E estas são lições que a criança levará consigo para o resto da vida. Na adolescência e na idade adulta, também precisamos de saber distinguir entre quem nos quer bem e quem quer tirar partido de nós, de saber identificar e impor limites e de viver a sexualidade com saúde, responsabilidade e sem vergonha.)

Photo by Annie Spratt on Unsplash

Um pensamento sobre “Educação sexual é a melhor prevenção

  1. Que texto maravilhoso e necessário! Aqui no Brasil não é muito diferente, e estamos caminhando para um retrocesso ainda maior graças ao novo governo extremamente conservador. Vou compartilhar nas minhas redes sociais!

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s