Boa educação (sexual)

Voltarei a este tema muitas vezes – é perene e não há coronavírus que o mude. Resumindo: precisamos de educação sexual nas escolas, nas famílias e na sociedade em geral. Não podendo muitas famílias dá-la em condições (por ignorância, tabu ou convicção), nem estando a sociedade em geral ainda capaz disso (por vários motivos), cabe ao Estado facultá-la no ensino.

Infelizmente, muitas pessoas ainda acham que uma disciplina de Educação Sexual implica pôr as crianças a mostrar os seus pipis e pilinhas umas às outras e hipersexualizá-las (não digo «sexualizá-las» porque, sim, pasme-se quem não sabe, as crianças têm a sua sexulidade, à maneira e à medida delas; sobre isso falarei noutro artigo). Estas costumam ser as mesmas pessoas que acham que a eutanásia significa matar todos os velhinhos e a despenalização da interrupção voluntária e segura da gravidez pôs as mulheres a abortar como quem bebe copos de água (a propósito: desde a lei da IVG que os números de abortos em Portugal não param de baixar).

Para essas pessoas, deixo aqui uma lista de coisas que uma boa educação sexual ensina às crianças e adolescentes – coisas que eu e muito boa gente teria lucrado muitíssimo em ver abordada – e que fui buscar a uma ilustração da fantástica Hazel Meade.

  • O sexo não deve ser doloroso (incluindo a primeira vez).
  • O lubrificante é uma coisa fantástica.
  • O sexo nos filmes não é sexo a sério.
  • O sexo não é como nos filmes.
  • O tipo de pessoa por quem sentimos atracção pode mudar ao longo do tempo.
  • É muito importante conhecermos o nosso próprio corpo. Não devemos ter receio ou vergonha de nos estudarmos ao espelho.
  • A comunicação entre parceiros sexuais é essencial.
  • É importante sabermos o que são as doenças sexualmente transmissíveis (nomes, sintomas, prevenção, consequências, tratamento).
  • Há diversos tipos de contracepção, com diferentes vantagens e desvantagens.
  • O clitóris existe e é um órgão maravilhoso.
  • CONSENTIMENTO, CONSENTIMENTO, CONSENTIMENTO
  • Devemos usar a terminologia correcta – vulva e vagina não são a mesma coisa, por exemplo.
  • Como pensar as relações, as emoções e o respeito.
  • Cada um é responsável pela sua saúde sexual.
  • A nossa saúde sexual pode afectar a do nosso parceiro.
  • Como reconhecer a coerção, a pressão e a violência sexual.
  • A masturbação é normal e saudável.
  • Como fazer uma correcta higiene genital e sexual.
  • O género de cada pessoa só diz respeito a essa pessoa.
  • Todas as pessoas são diferentes.
  • Todas as pessoas merecem respeito.
  • Não há problema algum em não ter interesse por sexo.
  • «Perder» a virgindade é o quê, afinal?
  • A menstruação é uma coisa bonita!
  • O tamanho não importa.
  • A PORNOGRAFIA NÃO É A REALIDADE.
  • Ninguém é obrigado a ir até ao fim só porque começou.
  • O número de parceiros sexuais que se teve, em si mesmo, é irrelevante.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s